Terça, 16 de janeiro de 201816/1/2018
43 3037-1240
Nublado
20º
23º
26º
Londrina - PR
Erro ao processar!
Sorria Contra o Câncer
REFUGIADOS
Crianças continuam a ser as principais vítimas no conflito do Sudão do Sul
Fundo lança informe sobre "impacto surpreendente da crise no país africano"; documento destaca privações enfrentadas pelos menores como fome e violência.
Marcio Demari Londrina - PR
Postada em 16/12/2017 ás 00h33
Crianças continuam a ser as principais vítimas no conflito do Sudão do Sul

Desde o início do conflito, pelo menos 19 mil crianças sul-sudanesas foram recrutadas por grupos armados. Foto: Unicef/Rich

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, considera que as crianças sul-sudanesas têm sido forçadas a aderir ao conflito armado, que iniciou há quase cinco anos, e que são as que mais suportam o peso da guerra civil.


Num informe, o Unicef diz que as crianças são as principais vítimas do conflito, iniciado em dezembro de 2013. Elas continuam a ser alvos de ataques militares, quer nas escolas, hospitais e ou lugares de cultos.


Infância sob ataque


Segundo o documento, "Infância sob ataque: O impacto surpreendente da crise nas crianças do Sudão do Sul", divulgado esta sexta-feira, os menores sul-sudaneses têm sido mortos tanto devido à sua origem étnica, como por afiliação política de seus familiares ou membros da comunidade.


A nota relata incidentes ocorridos entre dezembro de 2013 e outubro 2017, que afetaram mais de 117 mil crianças. Desde o início do conflito, pelo menos 19 mil crianças foram recrutadas por grupos armados. Mais de 1,2 mil raparigas foram vítimas de violência sexual.


Dificuldade


Mas, o Unicef afirma que esses dados são apenas uma parte do que se passa no terreno. A verdadeira magnitude dessa violência continua desconhecida. A agência diz ser impossível documentar a escala completa das violações e teme que os números reais possam ser muito mais altos.


O Fundo da ONU para a Infância fala de dificuldade no acesso a algumas áreas do país para reportar o impacto do conflito.


O representante da Unicef no Sudão do Sul, Mahimbo Mdoe, citado na nota, considerou que a crise põe em risco o futuro das crianças e do país.


Necessidades


Mdoe disse que "nenhuma criança deve experimentar os horrores e as privações que as sul-sudanesas enfrentam diariamente".


De acordo com o Unicef, cerca de 900 mil menores sofrem de problema psicossocial.


Em 2018, o Unicef diz que vai precisar de US$ 183 milhões para dar assistência às crianças e mulheres vítimas do conflito que entrará no seu quinto ano.


A Comissão Nacional de Desarmamento, Desmobilização e Reintegração, e a Missão das Nações Unidas no Sudão do Sul estão a desenvolver programas que proporcionam apoio psicossocial, meios de subsistência e oportunidades educacionais às crianças sul-sudanesas vítimas de conflito.


Até final de outubro, as agências conseguiram reitegrar 1,9 mil crianças recrutadas por grupos armados.

FONTE: Rádio ONU
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

500 caracteres restantes

  • COMENTAR
    • Prove que você não é um robô:

imprimir
364