Segunda, 10 de dezembro de 201810/12/2018
Muito nublado
18º
20º
27º
Sao Jose - SC
Erro ao processar!
Sorria Contra o Câncer
SAÚDE E PREVENÇÃO
FAO recebe contribuições do Brasil para debate sobre desafios da segurança alimentar e nutricional
O Escritório da FAO no Brasil recebeu na terça-feira (27) cerca de 35 representantes do governo, da sociedade civil e do setor privado para um diálogo sobre os grandes desafios da segurança alimentar e nutricional, agricultura familiar e meio ambiente na região e as contribuições do Brasil, em consulta nacional prévia à 35ª Conferência Regional da FAO para a América Latina e o Caribe, que se realizará na Jamaica, de 5 a 8 de março.
Marcio Demari São José - SC
Postada em 03/03/2018 ás 21h16
FAO recebe contribuições do Brasil para debate sobre desafios da segurança alimentar e nutricional

Obesidade no Brasil será discutida em conferência da FAO na Jamaica. Foto: Flickr/Tony Alter (CC)

O Escritório da FAO no Brasil recebeu na terça-feira (27) cerca de 35 representantes do governo, da sociedade civil e do setor privado para um diálogo sobre os grandes desafios da segurança alimentar e nutricional, agricultura familiar e meio ambiente na região e as contribuições do Brasil, em consulta nacional prévia à 35ª Conferência Regional da FAO para a América Latina e o Caribe, que se realizará na Jamaica, de 5 a 8 de março.


A chefe da delegação brasileira será a secretária de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável do Ministério do Meio Ambiente (MMA), Juliana Simões, que destacou o papel importante do Brasil na conferência, que ocorre a cada dois anos. “Temos experiências exitosas a compartilhar. É sempre uma oportunidade para reforçar as parcerias, mostrar o que o país vem fazendo e como, também, podemos contribuir para o desenvolvimento da agricultura, do meio ambiente, da sustentabilidade social com os outros países”, afirmou.


A secretária ressaltou o tema de biodiversidade, que será abordado durante a conferência. “É muito importante para o Ministério do Meio Ambiente fazer este diálogo para a inclusão do tema da biodiversidade nas diretrizes da FAO”.


Durante a 35ª Conferência Regional, os países poderão compartilhar suas experiências e fomentar a conservação e uso sustentável da sua diversidade biológica, incluindo todas as formas de vida de suas florestas, mares, desertos, planícies e rios.


“No caso do Brasil vamos ter uma delegação grande, com a participação de diversos ministérios que levarão para a conferência uma visão interministerial. O Brasil vai ter um papel importante em termos das orientações estratégicas para o trabalho da FAO para o próximo biênio na região”, explicou o representante da FAO no Brasil, Alan Bojanic.


Até o momento, a delegação brasileira é composta por 14 representantes do governo, além dos representantes da sociedade civil que também participarão da conferência, órgão máximo de governo da FAO na região. Sua principal função é definir as prioridades de trabalho da Organização para os próximos anos e apresentar os resultados dos últimos dois anos. O Ministério das Relações Exteriores (MRE) receberá todas as contribuições dos ministérios para a consolidação do documento que será apresentado pelo Brasil na conferência.


Segundo a chefe da Divisão de Temas Sociais do Ministério das Relações Exteriores (MRE), conselheira Marise Nogueira, para o Brasil, a conferência não se restringe ao aspecto da vida no campo. Dialoga também com políticas públicas que buscam atuar em áreas como a garantia da segurança alimentar e nutricional, o empoderamento de mulheres e outros grupos, a redução das desigualdades e o trabalho digno. “Representa ainda um fórum adequado para reforçar a importância do empoderamento de atores sociais como as mulheres rurais, as populações nativas, os povos e comunidades tradicionais e quilombolas”.


Obesidade: uma preocupação para o Brasil


Um dos temas da conferência regional é a obesidade, hoje uma epidemia na América Latina e no Caribe. De acordo com uma estimativa feita pelo Escritório Regional da FAO para América Latina e o Caribe, no Brasil, em 2015, 116.976 pessoas morreram devido às doenças causadas pela obesidade.


A secretária adjunta de Segurança Alimentar e Nutricional do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), Lilian Rahal, destacou a dupla carga da desnutrição. Por um lado, a fome que ainda persiste em grupos populacionais específicos e, por outro lado, a obesidade que vem avançando a passos largos na região.


A mesma preocupação foi destacada pela coordenadora-geral do Programa Nacional de Alimentação Escolar do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Karine Santos, ao comentar que a respeito do consumo de alimentos processados e ultra processados no ambiente escolar, desde 2009, o Brasil proíbe a comercialização de refrigerantes e alimentos de baixo valor nutricional nas escolas públicas. “Em 2018, o Brasil está fazendo uma revisão interna da resolução tendo como base o Guia Alimentar para a População Brasileira, do Ministério da Saúde, e estamos diminuindo drasticamente o acesso a alimentos processados e ultra processados nas escolas com recursos do governo federal”.


As contribuições da sociedade civil foram consolidadas durante diálogo com os representantes deste setor na região realizado no início de fevereiro no Panamá. Maria José Costa, secretária de Mulheres Trabalhadoras Rurais da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (CONTAG) manifestou que a pauta brasileira deve considerar os jovens rurais e as mulheres rurais como atores-chave para o fortalecimento da agricultura familiar. Ela também destacou a importância da perspectiva agroecológica. Sobre o trabalho que a FAO desenvolve e a Cooperação Sul-Sul, a representante da sociedade civil disse que “é fundamental na formação de políticas públicas diferenciadas”.


Ainda sobre a pauta para a conferência, Hur Ben da Silva, chefe da Assessoria Internacional da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead), disse que o Brasil no tema da agricultura familiar é um grande líder em termos de volume de recursos e de políticas públicas. “Um setor que para o país tem importância econômica e social. É o principal produtor de alimentos”.


Sobre as questões da agricultura familiar, a conferência também vai abordar a pobreza rural. Mais de 40% dos habitantes rurais são pobres e mais de 20% não conseguem sequer comprar uma cesta básica de alimentos.


Clique aqui para obter mais informações sobre a 35ª Conferência Regional da FAO.


Proteger a biodiversidade na América Latina e no Caribe


A América Latina e o Caribe têm uma biodiversidade única no mundo. Há um verdadeiro tesouro de espécies vegetais e animais fundamentais para a agricultura e a alimentação, e que também atraem milhões de pessoas pela sua atração turística.


Uma das pautas da 35ª Conferência Regional da FAO será a proteção da biodiversidade, durante o painel 3 sobre agricultura sustentável e resiliente às mudanças climáticas, dia 7 de março.


A secretária de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável do Ministério do Meio Ambiente, Juliana Simões, destacou que a discussão deste tema é de extrema importância para o ministério. Também destacou a relevância na agricultura, para que haja sistemas mais diversos de produção como a agricultura agroecológica e a orgânica. “A transição agroecológica também é um tema que queremos dialogar durante a conferência para enfatizar sua importância quando falamos de biodiversidade”.


Juliana também apontou o tema da valorização dos produtos da biodiversidade para que possam ganhar valor e mercado. “E, com isso, estamos falando dos nossos povos e comunidades tradicionais que fazem o uso desta biodiversidade, que protegem há muito tempo estas espécies e que, hoje, precisam de um ganho econômico que gere trabalho, renda e que mantenha esta biodiversidade. Estamos contentes em poder fazer uma discussão sobre este tema na Conferência da FAO”.


Para a FAO, a biodiversidade é um fator importante para a consecução da segurança alimentar e a melhoria da nutrição. Todos os setores agrícolas – incluindo a produção agrícola, a silvicultura, a pesca e a aquicultura – dependem da biodiversidade. No entanto, esses setores também têm um impacto na diversidade biológica devido a vários fatores diretos e indiretos. Os efeitos da perda de biodiversidade podem prejudicar os setores agrícolas e, portanto, são um risco potencial para a segurança alimentar e nutrição e para prover funções e serviços vitais do ecossistema.


A 35ª Conferência Regional da FAO será um espaço fundamental para que o Brasil e os outros 32 países membros da FAO compartilhem suas experiências e promovam a conservação e uso sustentável de sua diversidade biológica, incluindo todas as formas de vida de suas florestas, mares, desertos, planícies e rios.


O painel ministerial 3 da conferência vai abordar a agricultura sustentável e resiliente às mudanças climáticas, com atenção especial a forma como o setor agrícola pode continuar aumentando sua produtividade para responder ao aumento da demanda mundial de alimentos e, ao mesmo tempo, reduzir a deterioração ambiental, incentivar a conservação dos recursos naturais, adaptar-se às mudanças climáticas e reduzir as emissões.

FONTE: FAO Brasil
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

500 caracteres restantes

  • COMENTAR
    • Prove que você não é um robô:

imprimir
749

Publicidade

Médicos Sem Fronteiras (MSF)
Facebook

Publicidade

TELETON 2017

Publicidade

Unicef Brasil

Publicidade

objetivos do desenvolvimento sustentável
Enquete
Voce já fez doação em dinheiro para alguma instituição, como?

Fez doação via Internet?
28 votos - 23.0%

Fez doação comprando algum produto?
20 votos - 16.4%

Fez doação presencial?
19 votos - 15.6%

Fez doação via postos de coleta?
19 votos - 15.6%

Fez doação via telefone?
18 votos - 14.8%

Fez doação via carnê?
18 votos - 14.8%